IMPEACHMENT 28/10/2015 Câmara vai recomendar abertura



Prestes a ser concluído, parecer da Câmara dos Deputados deve sugerir a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), investigado na Lava Jato
A área técnica da Câmara dos Deputados está finalizando parecer em que recomenda ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que dê seguimento ao principal pedido de impeachment contra Dilma Rousseff.
A informação apurada pela reportagem com aliados de Cunha diz respeito ao pedido assinado pelos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, documento que é chancelado por partidos de oposição e movimentos de rua anti-Dilma.

A a recomendação técnica, que é sigilosa, será entregue a Cunha ainda nesta semana. 

E será sucinta: afirmará apenas que o pedido se enquadra nos requisitos da lei 1.079/50 (que trata do impeachment), no regimento interno da Câmara, e que traz em seu escopo elementos que apontam indícios de participação da presidente em supostos crimes de responsabilidade.


O embasamento são decretos assinados por Dilma em 2015 que aumentaram em R$ 800 milhões as despesas do Executivo sem autorização do Congresso, além da reprovação das contas de 2014 da petista pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

Pela lei, cabe ao presidente da Câmara decidir monocraticamente se dá ou não seguimento aos pedidos de impeachment contra a presidente da República. Ele pode ou não seguir a recomendação da área técnica.

Até agora, Cunha já mandou para o arquivo 20 pedidos de impeachment, sempre seguindo a recomendação técnica, mas resta a análise de outros 11, entre eles o do trio de advogados.

Alvo
Um dos principais alvos das investigações sobre o esquema de corrupção da Petrobras, Eduardo Cunha tem usado esse poder para negociar nos bastidores, com oposição e governo, formas de evitar sua destituição do cargo e a cassação de seu mandato.

Por isso, tem dado sinais ora pró-impeachment, ora contrários. Caso determine a sequência do pedido, é aberta uma comissão especial que dará parecer ao plenário da Casa.

Dilma é afastada do cargo caso pelo menos 342 dos 512 colegas de Cunha - ele não vota nesse caso - decidam pela abertura do processo de impedimento da petista.

O presidente da Câmara já afirmou que pretende anunciar sua decisão em novembro. Ele aguarda ainda decisão sobre recurso que fez ao Supremo Tribunal Federal contra liminares que suspenderam rito anunciado por ele para eventual processo de impedimento.

Desde 1992, quando deu parecer favorável a pedido de impeachment contra Fernando Collor de Mello - que acabou perdendo o cargo ainda naquele ano -, a área técnica da Câmara opinou pelo arquivamento de todos os pedidos de impeachment contra os presidentes subsequentes. (Folhapress)

Nenhum comentário:

Postar um comentário